Sabedoria

“No dia seguinte o príncipe voltou.

PequenoPrincipeGG_ Teria sido melhor se voltasses à mesma hora – disse a raposa. _ Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz! Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade!
Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar meu coração… É preciso que haja um ritual.
_ Que é um “ritual” – perguntou o principezinho.
_ É uma coisa muito esquecida também – disse a raposa. _ É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; uma hora, das outras horas. Os meus caçadores, por exemplo, adotam um ritual. Dançam na quinta-feira com as moças da aldeia. A quinta-feira é então o dia maravilhoso! Vou passear até à vinha. Se os caçadores dançassem em qualquer dia, os dias seriam todos iguais, e eu nunca teria férias!

Assim o pequeno príncipe cativou a raposa. Mas quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
_ Ah! Eu vou chorar.
_ A culpa é tua – disse o principezinho. _ Eu não queria te fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse…
_ Quis – disse a raposa.
_ Mas tu vais chorar! disse ele.
_ Vou – disse a raposa.
_ Então, não terá ganho nada!
_ Terei, sim – disse a raposa – por casar da cor do trigo.
Depois ela acrescentou:
_ Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde a três eu começarei a ser feliz!
_ Vai rever as rosas. Assim, compreenderás que a tua é a única no mundo. Tu voltarás para me dizer adeus, e eu te presentearei com um segredo.

O pequeno príncipe foi rever as rosas:
_ Vós não sois absolutamente iguais à minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda vos cativou, nem cativastes ninguém. Sois como era a minha raposa. Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu a tornei minha amiga. Agora ela é única no mundo.
E as rosas ficaram desapontadas.
_ Sois belas, mas vazias – continuou ele. – Não se pode morrer por vós. Um passante qualquer sem dúvida pensaria que a minha rosa se parece convosco. Ela sozinha é, porém, mais importante que todas vós, pois foi ela quem eu reguei. Foi ela quem pus sob a redoma. Foi ela quem abriguei com o pára-vento. Foi nela que eu matei as larvas (exceto duas ou três por causa das borboletas) Foi ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. Já que ela é a minha rosa.

E voltou, então, à raposa:
_ Adeus… – disse ele.
_ Adeus – disse a raposa. – Eis meu segredo. É muito simples: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisivel aos olhos.
_ O essencial é invisível aos olhos – repetiu o princepizinho, para não se esquecer.
_ Foi o tempo que perdeste com tua rosa que a fez tão importante.”

E deitado na relva, ele chorou.

_ Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa… – repetiu ele, para não se esquecer.

_ Os homens esqueceram essa verdade – disse ainda a raposa. – Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela tua rosa…

-Eu sou responsável pela minha rosa… – repetiu o principezinho, para não esquecer.

* Antonoine de Saint-Exupéry In: O pequeno príncipe*

Anúncios

Um comentário em ““No dia seguinte o príncipe voltou.

  1. Esse é o capítulo mais bonito de todo o livro! Aliás, todo ele é muito lindo e nos traz ensinamentos muito importantes!
    Se tiver oportunidade, leia outros divros do Exupéry tbm … todos ótimos!!!

    Parabéns pela escolha do texto e pelo blog que está lindo!

    Beijoes!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s