“Cuidado com os burros motivados” Roberto Shinyashiki

Uma amiga compartilhou esta entrevista do Roberto Shinyashiki (ISTOÉ ) no Facebook e como fã dele não pude deixar de ler. Compartilho com vocês o que concordo em totalidade, estamos esquecendo de ser e nós tornando pessoas cada vez mais sem personalidades, paramos de nós preocupar com o que seremos ou que nos tornando. E passamos a nós preocupar qual o carro no ano iremos comprar, qual roupa da moda iremos usar, o que as pessoas irão pensar se não seguirmos o que está na “moda”. Quantas pessoas vocês conhecem que realmente sabem como querem viver, o que desejam de verdade, falamos tanto em felicidade e nem sabemos qual o nossa cor preferida. Usamos a cor da moda, o sapato da moda, gastamos os tubos para comprar o último Iphone, quanto dinheiro você gastou em uma livraria esse ano, quantos livros você leu e quantos de vocês realmente irão terminar de ler esta entrevista.

“Em Heróis de verdade, o escritor combate a supervalorização da aparência e diz que falta ao Brasil competência, e não auto-estima.” Roberto Shinyashiki

Quem são os heróis de verdade?
Nossa sociedade ensina que, para ser uma pessoa de sucesso, você precisa ser diretor de uma multinacional, ter carro importado,viajar de primeira classe. O mundo define que poucas pessoas deram certo. Isso é uma loucura. Para cada diretor de  empresa, há milhares de funcionários que não chegaram a ser gerentes. E essas pessoas são tratadas como uma multidão de fracassados. Quando olha para a própria vida, a maioria se convence de que não valeu a pena porque não conseguiu ter o carro nem a casa maravilhosa. Para mim, é importante que o filho da moça que trabalha na minha casa possa se orgulhar da mãe. O mundo precisa de pessoas mais simples e transparentes. Heróis de verdade são aqueles que trabalham para realizar seus projetos de vida, e não para impressionar os outros. São pessoas que sabem pedir desculpas e admitir que erraram.

O sr. citaria exemplos?
Dona Zilda Arns, que não vai a determinados programas de tevê nem aparece de Cartier, mas está salvando milhões de pessoas. Quando eu nasci, minha mãe era empregada doméstica e meu pai, órfão aos sete anos, empregado em uma farmácia. Morávamos em um bairro miserável em São Vicente (SP) chamado Vila Margarida. Eles são meus heróis. Conseguiram criar seus quatro filhos, que hoje estão bem. Acho lindo quando o Cafu põe uma camisa em que está escrito “100% Jardim Irene”. É pena que a maior parte das pessoas esconda suas raízes. O resultado é um mundo vítima da depressão, doença que acomete hoje 10% da população americana. Em países como Japão, Suécia e Noruega, há mais suicídio do que homicídio. Por que tanta gente se mata? Parte da culpa está na depressão das aparências, que acomete a mulher que, embora não ame mais o marido, mantém o casamento, ou o homem que passa décadas em um emprego que não o faz se sentir realizado, mas o faz se sentir seguro.

Qual o resultado disso?
Paranóia e depressão cada vez mais precoces. O pai quer preparar o filho para o futuro e mete o menino em aulas de inglês, informática e mandarim. Aos nove ou dez anos a depressão aparece. A única coisa que prepara uma criança para o futuro é ela poder ser criança. Com a desculpa de prepará-los para o futuro, os malucos dos pais estão roubando a infância dos filhos. Essas crianças serão adultos inseguros e terão discursos hipócritas. Aliás, a hipocrisia já predomina no mundo corporativo.

Por quê?
O mundo corporativo virou um mundo de faz-de-conta, a começar pelo processo de recrutamento. É contratado o sujeito com mais marketing pessoal. As corporações valorizam mais a auto-estima do que a competência. Sou presidente da Editora Gente e entrevistei uma moça que respondia todas as minhas perguntas com uma ou duas palavras. Disse que ela não parecia demonstrar interesse. Ela me respondeu estar muito interessada, mas, como falava pouco, pediu que eu pesasse o desempenho dela, e não a conversa. Até porque ela era candidata a um emprego na contabilidade, e não de relações públicas. Contratei na hora. Num processo clássico de seleção, ela não passaria da primeira etapa.

Há um script estabelecido?
Sim. Quer ver uma pergunta estúpida feita por um presidente de multinacional no programa O aprendiz? “Qual é seu defeito?” Todos respondem que o defeito é não pensar na vida pessoal: “Eu mergulho de cabeça na empresa. Preciso aprender a relaxar.” É exatamente o que o chefe quer escutar. Por que você acha que nunca alguém respondeu ser desorganizado ou esquecido? É contratado quem é bom em conversar, em fingir. Da mesma forma, na maioria das vezes, são promovidos aqueles que fazem o jogo do poder. O vice-presidente de uma das maiores empresas do planeta me disse: “Sabe, Roberto, ninguém chega à vice-presidência sem mentir.” Isso significa que quem fala a verdade não chega a diretor?

Temos um modelo de gestão que premia pessoas mal preparadas?
Ele cria pessoas arrogantes, que não têm a humildade de se preparar, que não têm capacidade de ler um livro até o fim e não se preocupam com o conhecimento. Muitas equipes precisam de motivação, mas o maior problema no Brasil é competência. Cuidado com os burros motivados. Há muita gente motivada fazendo besteira. Não adianta você assumir uma função para a qual não está preparado. Fui cirurgião e me orgulho de nunca um paciente ter morrido na minha mão. Mas tenho a humildade de reconhecer que isso nunca aconteceu graças a meus chefes, que foram sábios em não me dar um caso para o qual eu não estava preparado. Hoje, o garoto sai da faculdade achando que sabe fazer uma neurocirurgia. O Brasil se tornou incompetente e não acordou para isso.

Está sobrando auto-estima?
Falta às pessoas a verdadeira auto-estima. Se eu preciso que os outros digam que sou o melhor, minha auto-estima está baixa. Antes, o ter conseguia substituir o ser. O cara mal-educado dava uma gorjeta alta para conquistar o respeito do garçom. Hoje, como as pessoas não conseguem nem ser nem ter, o objetivo de vida se tornou parecer. As pessoas parece que sabem, parece que fazem, parece que acreditam. E poucos são humildes para confessar que não sabem. Há muitas mulheres solitárias no Brasil que preferem dizer que é melhor assim. Embora a auto-estima esteja baixa, fazem pose de que está tudo bem.

Por que nos deixamos levar por essa necessidade de sermos perfeitos em tudo e de valorizar a aparência?
Isso vem do vazio que sentimos. A gente continua valorizando os heróis. Quem vai salvar o Brasil? O Lula. Quem vai salvar o time? O técnico. Quem vai salvar meu casamento? O terapeuta. O problema é que eles não vão salvar nada! Tive um professor de filosofia que dizia: “Quando você quiser entender a essência do ser humano, imagine a rainha Elizabeth com uma crise de diarréia durante um jantar no Palácio de Buckingham.” Pode parecer incrível, mas a rainha Elizabeth também tem diarréia. Ela certamente já teve dor de dente, já chorou de tristeza, já fez coisas que não deram certo. A gente tem de parar de procurar super-heróis. Porque se o super-herói não segura a onda, todo mundo o considera um fracassado.

O conceito muda quando a expectativa não se comprova?
Exatamente. A gente não é super-herói nem superfracassado. A gente acerta, erra, tem dias de alegria e dias de tristeza. Não há nada de errado nisso. Hoje, as pessoas estão questionando o Lula em parte porque acreditavam que ele fosse mudar suas vidas e se decepcionaram. A crise será positiva se elas entenderem que a responsabilidade pela própria vida é delas.

É comum colocar a culpa nos outros?
Sim. Há uma tendência a reclamar, dar desculpas e acusar alguém. Eu vejo as pessoas escondendo suas humanidades. Todas as empresas definem uma meta de crescimento no começo do ano. O presidente estabelece que a meta é crescer 15%, mas, se perguntar a ele em que está baseada essa expectativa, ele não vai saber responder. Ele estabelece um valor aleatoriamente, os diretores fingem que é factível e os vendedores já partem do princípio de que a meta não será cumprida e passam a buscar explicações para, no final do ano, justificar. A maioria das metas estabelecidas no Brasil não leva em conta a evolução do setor. É uma chutação total.

Muitas pessoas acham que é fácil para o Roberto Shinyashiki dizer essas coisas, já que ele é bem-sucedido. O senhor tem defeitos?
Tenho minhas angústias e inseguranças. Mas aceitá-las faz minha vida fluir facilmente. Há várias coisas que eu queria e não consegui. Jogar na Seleção Brasileira, tocar nos Beatles (risos). Meu filho mais velho nasceu com uma doença cerebral e hoje tem 25 anos. Com uma criança especial, eu aprendi que ou eu a amo do jeito que ela é ou vou massacrá-la o resto da vida para ser o filho que eu gostaria que fosse. Quando olho para trás, vejo que 60% das coisas que fiz deram certo. O resto foram apostas e erros. Dia desses apostei na edição de um livro que não deu certo. Um amigão me perguntou: “Quem decidiu publicar esse livro?” Eu respondi que tinha sido eu. O erro foi meu. Não preciso mentir.

Como as pessoas podem se livrar dessa tirania da aparência?
O primeiro passo é pensar nas coisas que fazem as pessoas cederem a essa tirania e tentar evitá-las. São três fraquezas. A primeira é precisar de aplauso, a segunda é precisar se sentir amada e a terceira é buscar segurança. Os Beatles foram recusados por gravadoras e nem por isso desistiram. Hoje, o erro das escolas de música é definir o estilo do aluno. Elas ensinam a tocar como o Steve Vai, o B. B. King ou o Keith Richards. Os MBAs têm o mesmo problema: ensinam os alunos a serem covers do Bill Gates. O que as escolas deveriam fazer é ajudar o aluno a desenvolver suas próprias potencialidades.

Muitas pessoas têm buscado sonhos que não são seus?
A sociedade quer definir o que é certo. São quatro loucuras da sociedade. A primeira é instituir que todos têm de ter sucesso, como se ele não tivesse significados individuais. A segunda loucura é: “Você tem de estar feliz todos os dias.” A terceira é: “Você tem que comprar tudo o que puder.” O resultado é esse consumismo absurdo. Por fim, a quarta loucura: “Você tem de fazer as coisas do jeito certo.” Jeito certo não existe. Não há um caminho único para se fazer as coisas. As metas são interessantes para o sucesso, mas não para a felicidade. Felicidade não é uma meta, mas um estado de espírito. Tem gente que diz que não será feliz enquanto não casar, enquanto outros se dizem infelizes justamente por causa do casamento. Você precisa ser feliz tomando sorvete, levando os filhos para brincar.

O sr. visita mestres na Índia com freqüência. Há alguma parábola que o sr. aprendeu com eles que o ajude a agir?
Quando era recém-formado em São Paulo, trabalhei em um hospital de pacientes terminais. Todos os dias morriam nove ou dez pacientes. Eu sempre procurei conversar com eles na hora da morte. A maior parte pega o médico pela camisa e diz: “Doutor, não me deixe morrer. Eu me sacrifiquei a vida inteira, agora eu quero ser feliz.” Eu sentia uma dor enorme por não poder fazer nada. Ali eu aprendi que a felicidade é feita de coisas pequenas. Ninguém na hora da morte diz se arrepender por não ter aplicado o dinheiro em imóveis. Uma história que aprendi na Índia me ensinou muito. O sujeito fugia de um urso e caiu em um barranco. Conseguiu se pendurar em algumas raízes. O urso tentava pegá-lo. Embaixo, onças pulavam para agarrar seu pé. No maior sufoco, o sujeito olha para o lado e vê um arbusto com um morango. Ele pega o morango, admira sua beleza e o saboreia. Cada vez mais nós temos ursos e onças à nossa volta. Mas é preciso comer os morangos.

Camilo Vannuchi – ISTOÉ

UBUNTU “Eu sou porque nós somos”

foto-2

“Um antropólogo fez uma brincadeira com crianças de uma tribo africana. Ele colocou um cesto cheio de frutas junto a uma árvore e disse para as crianças que o primeiro que chegasse junto a árvore ganharia todas as frutas. Dado o sinal, todas as crianças saíram ao mesmo tempo e de mãos dadas! Então sentaram-se juntas para aproveitar da recompensa. Quando o antropólogo perguntou porquê elas haviam agido dessa forma, sabendo que um entre eles poderia ter todos os frutos para si, eles responderam: Ubuntu, como um de nós pode ser feliz se todos os outros estiverem tristes?
UBUNTU na cultura Xhosa significa: “Eu sou porque nós somos”

Achei este texto no Facebook, mas infelizmente não achei o autor, mas na pesquisa achei um livro:
Ubuntu! – Eu Sou Porque Nós Somos
Stephen Lundin; Bob Nelson; Carolina Caires Coelho
É claro que entrou para a minha lista.

By Si Schurhaus

Encontro de Blogs / Além do Horizonte

ALEM DO hORIZONTE

A Busca da Felicidade como contei no post anterior foi convidada para participar de um encontro de Blogs no Rio De Janeiro para um café da manha com os autores da novela da Globo “Além do Horizonte”. Foi um encontro super bacana, em um local lindo no Parque Lage aos pés do Cristo Redentor. Fizemos uma breve apresentação de cada blog e claro fiquei muito nervosa na minha vez, pois confesso tenho um problema em falar ao público, ainda mais falando deste meu cantinho que na minha ingenuidade sempre achei que era somente meu e com tempo descobri que vocês passaram a fazer parte dele.

ALEM DO hORIZONTE

Os autores Carlos Gregório e Marcos Bernstein foram super simpáticos, contaram sobre a experiência de escrever uma novela que aborda um assunto que estamos tentando encontrar ou viver a FELICIDADE. Sobre suas vidas e desejos com este projeto, desejam que todos curtam a novela, que possa trazer  uma nova visão para a busca da felicidade e  nos mostrar muito mais do que imaginamos, que a novela terá romance, aventura, mistérios, diversão … além da linda Amazônia.

ALEM DO hORIZONTE

Os Blogs que participaram:
>> Agora Sim
>> Instamission
>> Continue Curioso
>> Indiretas do Bem
>> Razões Para Acreditar
>> Inspiration Page
>> Um Fôlego

ALEM DO hORIZONTE

Tudo foi preparado com muito capricho e delicadeza, o pessoal da organização nos deixou super a vontade, com a simpatia de sempre dos cariocas.

Este encontro foi muito significativo pra mim, por que falar de felicidade algo que busco sempre, me fez enxergar que muitos como eu desejam a FELICIDADE de diversas formas, em um estado de espirito, em sonhos realizados, no trabalho, na família, na realização pessoal, podemos encontrar em tantas coisas, mas um sorriso já me faz ganhar o dia. muitas das vezes. Encontrar e conhecer pessoas cheias de ideias, esperanças, que procuram sempre o melhor, todos os blogs que participaram foram criados com o intuito de trazer um pouco de amor, alegrias, esperanças, FELICIDADE tanto para os outros quanto para si mesmos. Quando compartilhamos nossas histórias ou contamos as dos outros estamos espalhando FELICIDADE, tentamos de alguma forma mostrar que a vida existe “Além do Horizonte” e nele podemos encontrar muito mais FELICIDADE.

ALEM DO hORIZONTE

Beijinhos!
Si Schurhaus

Dez Coisas que Levei Anos para Aprender

tumblr_m0xfkeIUQg1r6gci5o1_500

1. Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.
2. As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.
3. Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.
4. A força mais destrutiva do universo é a fofoca.
5. Não confunda nunca sua carreira com sua vida.
6. Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.
7. Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria “reuniões”.
8. Há uma linha muito tênue entre “hobby” e “doença mental”.
9. Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.
10. Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.

Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão… que o AMOR existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… e que valeu a pena!”

Dave Barry

22 Coisas que pessoas felizes fazem diferente

_MG_4881

Foto: By Si Schurhaus

Existem dois tipos de pessoas no mundo: aquelas que escolhem ser felizes e aquelas que optam por ser infelizes. Ao contrário da crença popular, a felicidade não vem de fama, fortuna, de outras pessoas ou bens materiais. Ela vem de dentro. A pessoa mais rica do mundo pode ser miseravelmente infeliz, enquanto uma pessoa sem-teto pode estar sorrindo e contente com a sua vida. As pessoas felizes são felizes porque se fazem felizes. Elas mantêm uma visão positiva da vida e permanecem em paz com elas mesmas.

A questão é: COMO ELAS FAZEM ISSO?
É muito simples. As pessoas felizes têm bons hábitos que melhoram suas vidas. Elas fazem as coisas de forma diferente. Pergunte a qualquer pessoa feliz e ela vai te dizer que:

1. NÃO GUARDE RANCOR.
As pessoas felizes entendem que é melhor perdoar e esquecer do que deixar seus sentimentos negativos dominarem seus sentimentos positivos. Guardar rancor tem um monte de efeitos prejudiciais sobre o seu bem-estar, incluindo aumento da depressão, ansiedade e estresse. Por que deixar alguém que o ofendeu ter poder sobre você? Se você esquecer os seus rancores, vai ganhar uma consciência clara e energia suficiente para apreciar as coisas boas da vida.

2. TRATE A TODOS COM BONDADE.
Você sabia que foi cientificamente provado que ser gentil faz você feliz? Toda vez que você realizar um ato altruísta, seu cérebro produz serotonina, um hormônio que facilita a tensão e eleva o seu espírito. Não só isso, mas tratar as pessoas com amor, dignidade e respeito, também permite que você construa relacionamentos mais fortes.

3. VEJA OS PROBLEMAS COMO DESAFIOS.
A palavra “problema” não faz parte do vocabulário de uma pessoa feliz. Um problema é visto como uma desvantagem, uma luta ou uma situação instável, quando um desafio é visto como algo positivo, como uma oportunidade, uma tarefa. Sempre que você enfrentar um obstáculo, tente olhar para isso como um desafio.

4. EXPRESSE GRATIDÃO PELO QUE JÁ TEM.
Há um ditado popular que diz algo assim: “As pessoas mais felizes não têm o melhor de tudo, elas fazem o melhor de tudo com o que elas têm.” Você terá um sentido mais profundo de contentamento se você contar suas bênçãos em vez de ansiar para o que você não tem .

5. SONHE GRANDE.
As pessoas que têm o hábito de sonhar grande são mais propensas a realizar seus objetivos do que aquelas que não o fazem. Se você se atreve a sonhar grande, sua mente vai colocar você em uma atitude focada e positiva.

6. NÃO SE PREOCUPE COM AS PEQUENAS COISAS.
As pessoas felizes se perguntam: “Será que este problema importa daqui a um ano?” Elas entendem que a vida é muito curta para ficar preocupado com situações triviais. Deixar os problemas rolarem à sua volta vai definitivamente colocar você à vontade para desfrutar das coisas mais importantes na vida.

7. FALE BEM DOS OUTROS.
Ser bom é melhor do que ser mau. Fofocar pode ser divertido, mas geralmente deixa você se sentindo culpado e ressentido. Dizer coisas agradáveis sobre as outras pessoas o encoraja a pensar positivo, sem se preocupar em julgar as ações de outras pessoas.

8. NÃO PROCURE CULPADOS.
As pessoas felizes não culpam os outros por seus próprios fracassos na vida. Em vez disso, elas assumem seus erros e, ao fazer isso, elas proativamente tentam mudar para melhor.

9. VIVA O PRESENTE.
As pessoas felizes não vivem no passado ou se preocupam com o futuro. Elas saboreiam o presente. Elas se deixam envolver em tudo o que está fazendo no momento. Param e cheiram as rosas.

10. ACORDE NO MESMO HORÁRIO TODOS OS DIAS.
Você já reparou que um monte de pessoas bem sucedidas tendem a ser madrugadores? Acordar no mesmo horário todas as manhãs estabiliza o seu metabolismo, aumenta a produtividade e coloca-o em um estado calmo e centrado.

11. NÃO SE COMPARE AOS OUTROS.
Todos trabalham em seu próprio ritmo, então por que se comparar com os outros? Se você acha que é melhor do que outra pessoa ganha um sentido não saudável de superioridade. Se você acha que alguém é melhor do que você acaba se sentindo mal sobre si mesmo. Você vai ser mais feliz se concentrar em seu próprio progresso.

12. ESCOLHA SEUS AMIGOS SABIAMENTE.
A miséria adora companhia. É por isso que é importante cercar-se de pessoas otimistas que vai incentivá-lo a atingir seus objetivos. Quanto mais energia positiva que você tem em torno de você, melhor vai se sentir.

13. NÃO BUSQUE A APROVAÇÃO DOS OUTROS.
As pessoas felizes não importam com o que os outros pensam delas. Elas seguem seus próprios corações, sem deixar os pessimistas desencorajá-los. Elas entendem que é impossível agradar a todos. Escute o que as pessoas têm a dizer, mas nunca busque a aprovação de ninguém.

14. APROVEITE SEU TEMPO PARA OUVIR.
Fale menos, ouça mais. Escutar mantém a mente aberta. Quanto mais intensamente você ouve, mais silencioso sua mente fica e mais conteúdo você absorve.

15. CULTIVE RELACIONAMENTOS SOCIAIS.
Uma pessoa só é uma pessoa infeliz. As pessoas felizes entendem o quão importante é ter relações fortes e saudáveis. Sempre tenha tempo para encontrar e falar com sua família e amigos.

16. MEDITE.
Ficar no silêncio ajuda você a encontrar a sua paz interior. Você não tem que ser um mestre zen para alcançar a meditação. As pessoas felizes sabem como silenciar suas mentes em qualquer lugar e a qualquer hora que elas precisam acalmar seus nervos.

17. COMA BEM.
Tudo que você come afeta diretamente a capacidade do seu corpo produzir hormônios, o que vai ditar o seu humor, energia e foco mental. Certifique-se de comer alimentos que irão manter sua mente e corpo em boa forma.

18. FAÇA EXERCÍCIOS.
Estudos têm demonstrado que o exercício aumenta os níveis de felicidade. Exercício também aumenta a sua auto-estima e dá uma maior sensação de auto-realização.

19. VIVA COM O QUE REALMENTE É IMPORTANTE.
As pessoas felizes mantêm poucas coisas ao seu redor porque elas sabem que coisas extras em excesso os deixam sobrecarregados e estressados. Alguns estudos concluíram que os europeus são muito mais felizes do que os americanos, o que é interessante porque eles vivem em casas menores, dirigem carros mais simples e possuem menos ítens.

20. DIGA A VERDADE.
Mentir corrói a sua auto-estima e faz você antipático. A verdade o libertará. Ser honesto melhora sua saúde mental e faz com que os outros tenham mais confiança em você. Seja sempre verdadeiro e nunca peça desculpas por isso.

21. ESTABELEÇA O CONTROLE PESSOAL.
As pessoas felizes têm a capacidade de escolher seus próprios destinos. Elas não deixam os outros dizerem como devem viver suas vidas. Estar no controle completo de sua própria vida traz sentimentos positivos e um grande senso de auto-estima.

22. ACEITE O QUE NÃO PODE SER ALTERADO.
Depois de aceitar o fato de que a vida não é justa, você vai estar mais em paz com você mesmo. Em vez de ficar obcecado sobre como a vida é injusta, se concentre apenas no que você pode controlar e mudar para melhor.

Sempre me senti diferente dos outros …

By Si Schurhaus

Foto:  Si Schurhaus

“Sempre me senti diferente dos outros. Não mais bonita, não mais inteligente, não mais especial, não mais esperta, não mais maluca, não mais legal, apenas diferente. Sou diferente na forma de sentir, tudo que me toca, me toca fundo. Tudo que me alegra, me alegra muito. Tudo que me dói, dói forte, corta. Nunca tive muitos freios em matéria de sentimento. Sempre que eu quis ir, fui. Muito me estrepei. Sempre que quis falar, falei. Muito me ralei. Aprendi um pouco a calar, a tentar respirar fundo e pensar.”

Tati Bernardi

Naquele dia …

_MG_4871

Foto: Si Schurhaus

Naquele dia que você não estiver procurando por ninguém,
naquele dia que você não ia sair de casa e acabou colocando
a primeira roupa que viu pela frente, quando você não estiver procurando,
você vai achar aquela pessoa que faz você sentir que poderia parar de procurar.

Caio Fernando Abreu

Não dê tanta importância

Não dê tanta importância à melhor roupa para vestir, à melhor frase para o primeiro encontro,
às calorias que deve queimar, à melhor resposta para quem lhe ofendeu, às perguntas que precisa
fazer para se autoconhecer. Chega de se autoconhecer. Deixe-se em paz.
Martha Medeiros

Fotografias de Familia

DICAS
Eu e meu marido temos uma empresa de fotografias FOTOGRAFIAS DE FAMILIA  e escrevemos algumas dicas que irão ajudar na hora de contratar um fotografo:

As perguntas mais comuns que recebemos é a famosa frase que todos nós temos na ponta da língua.

Tem como fazer um descontinho?

Pois bem, até achamos normal, mas o que nos preocupa é que as pessoas não se atentam a pontos mais importantes e cruciais que podem virar uma frustração em um dia que deve ser de alegria.

São muito comuns alguns tipos de problemas nesse setor. Problemas que já vimos acontecer e reclamações que clientes nos dizem quando realizamos a visita para assinar o contrato. Fotografos que vendem uma coisa e entregam outra, atrasos consideráveis no dia da festa, atrasos absurdos na entrega do álbum, mal comportamento durante o evento, descaso com o material fotográfico o que gera perda dos arquivos e por ai vai… Segundo o fotografo Fabio Laub, presidente da ABRAFESTA, o maior índice de reclamações que eles recebem são de descaso com as fotografias. Perdas dos arquivos e pessoas que contratam um fotografo e depois não recebem nem álbum, nem os arquivos digitais.

Por isso dizemos que não há MILAGRE, para ter um trabalho profissional e responsável, não tem como cobrar um preço da china, porque um bom profissional investe alto em segurança dos arquivos, vários backups são feitos para garantir a integridade das fotografias.

Afinal, essas fotografias são um documento de família. São essas fotografias que serão a referencia de como seu filho era quando bebê, como era a decoração da sua casa anos atrás, os amigos que há tempos não encontramos, serão a única recordação que seu filho poderá ver de seu casamento, resumindo… É a  nossa memória documentada em fotografias.

Enfim, vamos as dicas que vocês devem saber, a não ser que a memória de sua família seja irrelevante…

PROCURE SABER A CONSISTÊNCIA DO TRABALHO DO PROFISSIONAL.
Se ele costuma registrar este tipo de evento, e se este trabalho é constante e nele se mantem a qualidade.

SITE, BLOG E REDES SOCIAIS
Visite o site ou blog do fotografo e veja vários trabalhos, preste atenção se ele faz aquilo com amor, se ele tem cuidado na forma como apresenta seu trabalho. Se ele não tiver cuidado na apresentação de seu portfólio, será muito difícil ele ter cuidado com suas fotografias. Pesquise se ele tem página ou perfil em redes sociais e se tiver veja o que as pessoas dizem a respeito de seu trabalho.

ARMAZENAMENTO DAS IMAGENS
Procure saber como ele armazena as imagens. A garantia de que você não receberá um telefonema ou email com lamentações que suas fotos foram perdidas será nula se o profissional for responsável e investir em segurança dos arquivos. É muito comum isso acontecer quando não se investe na segurança. E gente… Tenham em mente que essas fotografias são documentos de sua vida. Avalie o quanto a memória de sua família é importante pra você.

ENTREGA DO MATERIAL
Parece incrível, mas o que menos nos perguntam quando recebemos solicitação de orçamento, é quanto ao prazo de entrega. E este é o maior índice de reclamação que a ABRAFESTA recebe. Nesse item mais uma vez é importante que o cliente olhe o site, blog ou página em redes sociais do fotografo e veja se tem depoimentos de clientes.

QUALIDADE
Olha só outro item que ninguém se preocupa e que pode ser uma frustração pra você… Até hoje nenhum cliente nos perguntou… Qual o tempo de durabilidade do álbum? Ou dos arquivos digitais?
Imagina as fotos de seu casamento, primeiro aninho de seu filho ou qualquer outro momento importante de sua vida se apagando com o tempo, porque foi feito um álbum de qualidade ruim… Pois acontece.
Um caso que presenciamos foi de um cliente querer montar um álbum de um evento que não tinha feito o álbum anteriormente e quando pegou o DVD com as fotos pra nos mostrar, o DVD não abria os arquivos. Isso é muito comum acontecer, também.

CONTRATO
Assegure que o profissional trabalhe com contrato e que nele esteja assegurado todos os seus direitos. Assim caso aconteça eventuais problemas você terá como cobrar seus direitos.

Mas, lembre-se… qualquer que seja o evento, será um dia único e não tem como voltar, portanto fique atento a tudo que citamos anteriormente e assim evitará muita dor de cabeça e arrependimento.

Portanto pense bem no que vale mais apena. A garantia de um bom trabalho ou algum misero desconto.

Esperamos que nosso post seja útil e até a próxima.

Adhil Rangel e Si Schurhaus
Se desejar acompanhar nossa FanPage

Beijos

Me expresso, logo existo.

http---meme.zenfs.com-u-b7c65ddd6f1f225db921537843ebd259292ce66e

Ontem na volta do almoço, como de costume no começo do mês passo na banca para ver as novidades nas revistas, sim eu amo comprar revistas. Me deparei com a Glamour (curto está revista, sempre tem umas matérias interessantes) e desta vez na GEspecial estava uma falando sobre comportamento. “Me expresso, logo existo”, dando algumas lições e comentários de psicólogos, psiquiatras e me deparo neste trecho …

  • Você não precisa amar cada mínimo detalhe de si mesma, alguns livros de autoajuda (nada contra, mas não consigo ler livros de autoajuda, mas leio artigos interessantes) revistas femininas e politicamente corretos de plantão adoram destacar a importância de se amar incondicionalmente, dos pés à cabeça, com cada defeito em cada mínimo detalhe. O problema é que – desculpem a obviedade, tá? – ninguém é perfeito. E se obrigar a amar aquele traço de caráter duvidoso que você tem (hello, todos nós temos!) ou o corpitcho flácido que a vida sedentária lhe deu impedem uma tentativa de melhora, seja fazendo análise, seja se obrigando a se exercitar e levando uma vida saudável . Trocando de miúdos: essa forçação de barra pode te estagnar, te frustar, não te deixar ver as coisas importantes sobre você mesma. “A verdade sobre si mesmo é um trunfo. E quando vem o autoconhecimento, vem a certeza de que não somos nenhum docinho de coco. O grau de autoconhecimento divide as pessoas entre 1) quem se suporta; 2) quem se compreende minimamente e consegue se olhar no espelho; 3) quem cobre o espelho  com uma foto de celebridade sonhando se ela”  Pondé. Fiquemos com a segundo opção, ok? No quesito estético a psicóloga Marjorie Vicente “Estar satisfeita não significa gostar de cada pequeno aspecto do corpo, mas, sim, aprender a focar no que sem tem de melhor”. E todas temos um, dois, vários “melhor”.
  • Saiba quem você é, mas tente não se rotular … Se tem uma coisa que todos nos temos que perseguir é o autoconhecimento. Alguns escolhem a terapia, outros a religião, uns preferem viajar (terapia e viajar são as minhas escolhas) … não importa o meio, mas o fim. Só se conhecendo bem é possível prever e entender os próprios sentimentos e reações. E quem entende os próprios sentimentos e reações entende os dos outros. Conseguindo se comunicar melhor, tem relações mais verdadeiras e saudáveis. O que não quer dizer indolores, veja bem. Ir ao fundo dentro de nós mesmos, lugar no qual não sabemos exatamente o que encontrar, é perturbador, mas proporciona um grande crescimento. “O desconhecido desperta medo, e mudar o que está estabelecido demanda energia. Por isso tanta gente passa a vida fugindo de si mesmo, aceitando rótulos convenientes que os outros ou ela mesma se colocam. Rótulos são péssimos porque não nós deixam espaço para evoluir. Se você assume, por exemplo, que é do tipo “sempre atrasada”, em vez de tentar mudar, conforma-se com isso”. Quem se conhece via rótulos tem uma apreensão superficial de si mesmo. Ir além deles é a única forma de aprofundar a relação consigo mesmo e com os outros.

Espero que esse artigo lhe proporcione uma reflexão, que podemos ser melhores e aprofundar na experiência de um crescimento para a vida. Viver na inercia e na aceitação faz o tempo ser triste e pior chega um momento que a frustração bate na porta e doí. Mas tudo tem solução e poder chegar lá com felicidade nos olhos, na alma e no espirito é possível para quem tem coragem de viver.

Beijos
Si Schurhaus